Tempo de leitura:3 minutos

Conheça a ave mais velha do mundo que será mamãe

 

Ave mais velha do mundo a ser mãe – 67 anos

Wisdom é o nome da Albatroz-de-laysan, uma guerreira que já viu muitas mudanças no seu meio ambiente, e conseguiu escapar (aparentemente ilesa) da poluição dos mares.

A fêmea tem um rastreador, e por mais de 46 anos nunca mais foi vista, mas em 2002 ela reapareceu para surpresa dos cientistas.

 

Sandro Muniz

ps, a matéria diz pássaro, mas está errado. O correto é dizer ave. Todo pássaro é uma ave, mas nem toda ave é um pássaro.

 

 

Um albatroz-de-laysan está, claramente, a desafiar as normas da sua espécie. Wisdom, o mais antigo pássaro selvagem do mundo, voltou ao ninho de origem para pôr um ovo à magnífica idade de 67 anos.

A albatroz Wisdom é um pássaro fora do comum, que não só venceu, como superou todos os obstáculos da vida. Aos 67 anos, a mais velha ave selvagem conhecida do mundo pôs um ovo, no Atol Midway, localizado no norte do Oceano Pacífico, a noroeste do Havai, pertencente aos EUA.

Esse ovo é mais um da sua lista de sucessos: na sua já longa vida, Wisdom já deu à luz a cerca de 30 a 35 crias. Dado que a sua espécie está quase ameaçada de extinção, esta “supermãe” é uma conquista da natureza.

Todos os anos, Wisdom e o seu atual companheiro, Akeakamai, voltam ao Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea para fazer um ninho e criar uma única cria.

No último 13 de dezembro, o Serviço para Peixes e Vida Selvagem dos Estados Unidos (USFWS, na sigla em inglês) confirmou que o par estava a incubar um novo ovo.

Wisdom já sobreviveu a vários companheiros. Além disso, a ave também é notável por ter registado cerca entre dois a três milhões de quilómetros desde 1956 – o equivalente a quatro a seis viagens de ida e volta para a lua.

“Nunca conhecemos um pássaro que sabemos que tem 67 anos e que ainda está em reprodução”, disse Kate Toniolo, vice-superintendente do Monumento Nacional Marinho.

A história de Wisdom remonta a 10 de dezembro de 1956, quando o biólogo Chandler Robbins, do USFWS, colocou um rastreador num albatroz-de-laysan qualquer. Durante 46 anos o pássaro deixou de ser visto, até voltar a aparecer em 2002, quando Robbins analisou novamente o pássaro. A sua aparente idade avançada e boa saúde renderam-lhe o nome de Wisdom (inglês para “sabedoria”).

A ave é interessante porque conseguiu evitar muitos riscos para a sua espécie por muito tempo, como ingerir plástico oceânico ou ser apanhada acidentalmente por um pescador.

“Estamos a falar de um pássaro que estende o nosso entendimento porque é tão diferente da nossa história de vida e 99% dos animais com os quais interagimos diariamente”, explicou Charles Eldermire, que estuda aves na Universidade Cornell, nos EUA.

A maioria dos pássaros selvagens luta para continuar a viver, encontrar um companheiro e criar filhotes. Fazer isso todos os anos durante seis décadas é realmente fora da curva.

Não só isso, mas Wisdom dominou o estilo de vida desafiador do albatroz, enfrentando um clima extremo e encontrando um pedaço de terra remota para criar os seus filhotes. “É um pássaro incrivelmente sortudo e incrivelmente esperto”, afirmou Eldermire.

E cada cria que Wisdom choca é mais um triunfo para a sua espécie, que a União Internacional para a Conservação da Natureza lista como “quase ameaçada“.

Quase 70% dos albatrozes-de-laysan aninham no Atol Midway, pelo que um tsunami como o de 2011 no Japão poderia acabar com muitos dos pássaros de uma só vez. Isso mostra quão importante é cada ave para garantir a sobrevivência da espécie.

 

zap.aeiou

POSTAGENS RELACIONADAS
Pocket